VACINA SALVA VIDAS



As mentiras espalhadas contra a imunização da covid-19 ganham espaço notório na sociedade. O vírus da desinformação é aliado na disseminação do coronavírus. Por isso, é necessário esclarecer dúvidas frequentes sobre a eficácia das vacinas e como elas são aliadas para erradicar doenças.

A produção de vacina respeita processos, critérios e fases no período de testes. Normalmente, os institutos de pesquisas, responsáveis pela elaboração da substância, também avaliam minuciosamente e — a longo prazo — como o agente preventivo age no sistema imunológico das pessoas.

Devido à urgência da pandemia de covid-19, as vacinas para imunizar a população foram desenvolvidas em tempo recorde. Entretanto, os imunizantes atendem às exigências sanitárias dos órgãos regulatórios rígidos.


Vacinas aprovadas no Brasil


No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é responsável pela aprovação das vacinas. Após a fase três de teste e com a anuência do órgão, duas vacinas estão sendo aplicadas no país. A Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantã em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Após a aplicação da primeira dose, dentro de 2 a 4 semanas a pessoa pode tomar a segunda.

A Covishield — conhecida popularmente como Astrazeneca — produzida pela Universidade de Oxford com a colaboração do laboratório da AstraZeneca. Para o efeito de 100% de imunização, o intervalo recomendado é de 4 a 12 semanas no recebimento da segunda dose.


Origem da doença


Originado na China, em dezembro de 2019, o novo coronavírus atinge — praticamente — todos os países do mundo. A última pandemia mundial registrada foi em 1918, a gripe espanhola. De acordo com o alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), datado em 11 de março de 2020, a covid-19 foi declarada como pandemia.


Vacinar-se é um ato de solidariedade


A pessoa imunizada está protegida e também auxilia na proteção de toda a comunidade. Vacinar-se é um ato individual, porém de responsabilidade coletiva, uma vez que o coronavírus é contagioso e pode atingir toda população.

A vacinação em massa é responsável pelo o fim de algumas doenças no mundo, como varíola; além de diminuir muitas outras, como sarampo e rubéola. Portanto, vacinar-se é seguro.


Efeito da campanha de conscientização e educação


As campanhas de conscientização são instrumentos eficazes para convencer a população sobre a importância da vacinação. Não há tratamento precoce para a covid-19. A única forma de prevenção é por meio da imunização.

O uso da máscara, do álcool em gel e o distanciamento social são ações fundamentais no combate à proliferação do vírus.

Pela urgência epidemiológica em decorrência da pandemia, o direito à saúde pública, com ênfase na vacinação, deve ser assegurado a todos.


Material produzido pelo Departamento de Comunicação da Apoio, com informações dos portais da Universidade de Fortaleza, Brasil Escola e Jornal da USP

Jornalista responsável: Jane Tanan — MTB 0085720/SP







56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo